Seu Amaro, o poeta

Você se lembra de quando os pães vinham embrulhados em papel cinzento amarrados com barbante? O seu Amaral se lembrava. Seu Amaral era um senhor, não sei de que idade, que vivia em Nossa Senhora do Descaminho (uma cidadezinha do interior de Minas, que tem na verdade outro nome, por que algumas das coisas que…

A Raposa e as uvas

  A raposa nunca se esqueceu das uvas. Um dia, ela tentou caçar um coelho, que por sorte, conseguiu escapar enfiando-se em uma toca no oco de uma árvore que era muito estreito para a raposa passar. O felpudo lagomorpho quando viu a frustrada caçadora se afastar, meteu o focinho rosado pela fresta, farejou o…

Loucuras e Jabuticabas

Aconteceu em Sabará, com um menino chamado João, que depois de ler Dom Quixote, decidiu enlouquecer com uma loucura inventada e passou a confundir as duas coisas que mais adorava: livros e jabuticaba. Bastava entrar na biblioteca que começava a querer descascar os livros, arrancando-lhe as capas, e a tentar chupar as páginas. Túlio, o…

A Atiradora de facas e o seu alvo

E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração (Fernando Pessoa)   Os braços indicam as horas e as pernas indicam os minutos e começam a girar, girar, girar… A cidade inteira dorme. Carina acorda e, envolta em uma manta branca bordada com uma rosa,…