Enquanto o sono não vem e os dragões dos contos de fadas

Em um mundo feito de citações apócrifas de Clarice Lispector e Voltaire, não chega ser uma surpresa encontrar casualmente citações de alguns autores que são bem menos famosos, como é G.K.Chesterton. Chamá-lo de grande autor pode parecer uma ironia pobre (considerando que seus duelos verbais com pessoas como George Bernard Shaw e H.G.Wells ficaram famosos,…

Raduan Nassar e o Prêmio Camões

Não dou muito importâncias aos prêmios, não importa o nome, Jabuti, Oscar, Nobel. Mas sei que eles têm algumas utilidades. A primeira é a promoção pura e simples de uma obra, de um artista ou de alguma ideia que esteja representada nesta obra ou por estes artistas. Por isso, essas polêmicas são tolas: não existe…

O Castelo de Otranto de Horace Walpole

  Nem todas as obras que deram origem a um gênero literário têm a sorte, ou azar, de permanecerem registradas na história como aconteceu com O Castelo de Otranto de Horace Walpole. A sorte vem do fato que as inovações do autor, algumas bem ingênuas, ficaram preservadas. O azar é a realização que outros autores,…

O Saci-Pererê: resultado de um inquérito

A influência de um grande escritor na cultura de um país em geral é representada pelos livros e personagens que ele criou, talvez por alguma figura de linguagem. Quando pensamos em Monteiro Lobato, imediatamente relacionamos sua imagem com a nossa literatura infantil. Alguns, motivados pelo recente sucesso da indústria petrolífera brasileira, talvez se lembrem de…

To a Cat por John Keats

O poeta inglês John Keats escreveu um soneto para um gato (da Sr.Reynolds). A tradução abaixo é do Augusto de Campos (é, sei que ele não chamaria de tradução, mas nós gatos dispensamos afetação alheia):   Cat! who hast pass’d thy grand cliacteric, How many mice and rats hast in thy days Destroy’d? − How many…