Dicionário do Folclore Brasileiro de Câmara Cascudo

Dicionário_do_folclore_brasileiro_Camara

 

Em um livro de Ruth Rocha, “Marcelo, Marmelo, Martelo” conta-se a história de um menino chamado Marcelo que decide trocar os nomes das coisas para outros nomes que considerava mais apropriados. Algumas palavras me provocam o mesmo tipo de reação que Marcelo: elas não combinam sempre com as coisas que dão nome. Dicionário é uma dessas palavras, afinal se refere a um livro que não é feito para ser lido, mas para ser consultado (sabemos bem que, não importa o que digam os dicionários, ler não é feito somente com os nossos olhos, mas sim uma relação amorosa entre o texto e o leitor que incluí tato, olfato, paladar e até mesmo o som que imaginamos para as palavras).
Aprendi que a palavra não soava bem lendo o Dicionário Filosófico de Voltaire e confirmei outras tantas vezes; uma delas com o Dicionário do Folclore Brasileiro de Câmara Cascudo. Ler este livro é mais do que passear por verbetes e descobrir curiosidades sobre as tradições brasileiras. Você pode encontrar pequenas histórias, rimas e receitas que serão úteis – mas veja bem, se é uma tradição, a utilidade é característica menos relevante. É querer justificar algo pelo uso, quando uma tradição persiste por uma característica básica: vitalidade.

 
A obra de Cascudo tem esse mérito, é uma imersão na nossa tradição, ler o dicionário é uma experiência que ajuda ao leitor a viver o mundo que o autor, que já foi até santificado, procurou registrar ao construir uma ideia de cultural brasileira. Não é resgate, pois para ele, nenhum dos verbetes jamais esteve perdido, é valorização.

 
Todo dicionário, com esse nome mesmo, tem algo de místico, pois é uma das tentativas da humanidade em definir algo potencialmente infinito. Não falo do aspecto léxico, já que as modificações dos idiomas é algo continuo, falo do fato de que todo bom dicionário incluirá um verbete no qual define o universo ao qual se refere e, eventualmente, o próprio dicionário fará parte deste universo. As constantes reedições do Dicionário do Folclore Brasileiro são uma curiosa evidência desse infinito potencial.

 

*texto originalmente publicado no facebook da Cia.Arreleque.


#folclore #câmaracascudo #ruhrocha #dicionário

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s