O Primeiro Conto de Fadas de cada um

 

disquinhos-disney-coleco-quase-completa-estorias-18071-MLB20147917038_082014-F

Se perguntam, sou incapaz de lembrar qual seria o primeiro conto de fadas que contaram para mim. Não recordava nenhum de forma que pudesse determinar qual seria o primeiro ou até mesmo o último. Não por que eles estivessem ausentes: na minha casa, havia todos aqueles pequenos disquinhos de histórias da Disney e lembro-me de alguns que não eram nem mesmo negros, mas coloridos. Além destes, havia alguns livros. Um deles era ilustrado, quatro gravuras por página. Havia a história de João e Maria: a velha bruxa com um coque e óculos de lentes verdes. Em uma das páginas, deixei cair uma gota de água com açúcar (creio que comia morangos) que formou uma mancha e curiosamente marcava uma das páginas que apresentava a casinha feita de guloseimas. Também havia a história do Pequeno Polegar, mas este estava cortado, o que indica que eu ou uma das minhas irmãs já conhecia bem aquele livro e outro livro com histórias de Andersen, O Soldadinho de Chumbo, O imperador e o Rouxinol e A Roupa Nova do Imperador.

Também existia um livro com contos de fadas irlandeses, que nunca mais vi em lugar algum, ou que a minha memória não permitiu reconhecê-lo. Talvez só o imagine como irlandês por ter capa verde. Lembro-me de uma história que me impressionava pelo sem número de nomes inusitados devido a combinações de consoantes incomuns no português, especialmente para uma criança ainda sendo alfabetizada. A história desse conto era simples, nomes como Comwall, Finn, Igraine, Cuchulain, ou algo similar, surgiam na narrativa. A história era basicamente assim:

“O herói (não um guerreiro, mas um bardo) vagava por uma floresta e lá viu uma mulher que era uma fada ou filha de uma fada, o que dava no mesmo. Se apaixonam, ele com muita dificuldade, a deixa partir e retorna para os companheiros, que duvidam dele. Ela entra no oco de uma árvore onde reside (ou talvez fosse a própria árvore) e passa lá o dia, sonhando com a noite anterior. Durante a noite, ela deixa o lugar e vê o bardo entre os seus companheiros, empenhado em provar a realidade daquele encontro, transformando-o em um poema. Eles percebem a sua presença, mas ela, amedrontada foge par a árvore e lá se esconde e não responde aos chamados do bardo, já que ela era incapaz de acreditar que a personagem do poema é ela, e que aquilo fora real e não um sonho que ela tivera. Assim, ela recusa-se sair e a desabrocha em várias pequenas flores. O bardo colhe uma dessas flores e todo ano, retornava para colher uma nova flor.”.

Como podem ver não me recordo de muitos detalhes, talvez a minha memória tenha misturado o conto com outros contos, especialmente um japonês onde uma mulher-raposa se transforma em árvore para se esconder de seus perseguidores. A memória é capaz de tais criações. Neste caso, o passado é um pretérito-mais-que-perfeito, mutável e em constante expansão.

Sem dúvida, a maioria das pessoas se lembrará daquele conto mais marcante e esse se tornará “o primeiro conto de cada um”. Branca de Neve, Cinderela e os Três porquinhos têm em comum a intervenção das animações de Walt Disney. Por isso, sua popularidade tão constante. Os três contos trazem alguns dos vilões mais importantes dos contos de fada: a madrasta malévola, que ainda se torna uma bruxa horrenda, no conto da Branca de Neve, e o Lobo Mau. A bruxa é a vilã de João e Maria e o Lobo de Chapeuzinho Vermelho, este, talvez o conto mais bem conhecido de todos os contos tradicionais. A fome é a marca dessas duas histórias, já o resgate do príncipe a marca de Cinderela e Branca de Neve. Os três porquinhos uma lição sobre o  trabalho  e obediência. Eu vi em um entrevista, Borges dizer que o primeiro livro que se lembrava era um livro com contos de Grimm, ele que muitas vezes manifestou-se contra os contos de fadas e suas constantes reviravoltas. Não é de surpreender que Borges tenha um passado fluído, mas se ele pudesse escolher, por que escolher algo que não admirava?

Escolher qual o conto é o nosso primeiro conto é definir nossos primeiros vilões, heróis, os primeiros encantamentos e os nossos primeiros medos. Preste atenção nos seus contos de fadas que você escolhe para ler, contar ou ouvir. Há algo de você em cada um deles.


#contosdefadas #disney #borges

 

Anúncios

4 pensamentos sobre “O Primeiro Conto de Fadas de cada um

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s